segunda-feira, 15 de setembro de 2014

O Cristianismo Gramsciano, se isso não fosse uma heresia!

Nada poderia ser mais cínico e falso do que um seguidor do materialismo histórico e dialético usar Cristo para converter um cristão a pensar como um tolo comunista ou socialista. Como a cristandade brasileira não foi devidamente convencida pela luta de classes proposta em décadas passadas, ressuscitaram Gramsci e o tornaram um mantra ideológico a fim de se infiltrar em todos os institutos formadores de opinião. Dentre todos, escola, igreja e comunicação social, o mais resistente era a igreja cristã. Era.
Os hipócritas se reformaram, encontraram um caminho sórdido de serem lobos em pele de cordeiros. Estão propagando mensagens da Bíblia com moral marxista, como se Cristo fosse a base do pensamento materialista, ou este descendesse do primeiro. Um fermento podre que nos tentam empurrar goela abaixo dia a dia. Ideologia humana, tentando se misturar a palavra que sai da boca de Deus.
É preciso acordar para as grandes e inestimáveis lições do Cristo, saber ensinar as atuais e futuras gerações com muito mais sabedoria do que é feito atualmente. Muito se perdeu, pois muitos foram idiotizados por valores infestados de ideologias materialistas disfarçadas, propostas de revisões nos conteúdos programáticos ditadas por "falsos profetas" como o tal "patrono" da educação, ídolo dos idólatras do materialismo dialético, e lenha do fogo que consome nosso povo idiotizado, oriundo das escolas ideologizadas com suas diretrizes Gramscianas. Freire não apenas colaborou para o terror social, como criou acadêmicos que pensam estar defendendo a liberdade do indivíduo no ensino laico, como se o pensamento humano fosse a solução frente a qualquer valor cristão, seja ele moral ou espiritual. O laicismo estando preso a uma ideologia, nunca será isento. Sendo originado no coração e na mente humana, nos condena a rejeitar toda sabedoria contida na mensagem Crística e assim fadado a criar um vazio moral que permite que Deus seja substituído pelo Grande Irmão, o partido que nos governa assim como no livro de George Orwell, 1984. No fim, temos uma inversão de valores onde ser democrático conjura o original grego e nos mostra que o pensamento único oriundo do proletário é a única forma válida de "democracia".
A intenção do ensino laico é isentá-lo da moral da igreja, seja ela qual for, e preservar o sentido do ensino como meio de conhecimento e caminho para a sabedoria, instrumentalizando a pessoa com conhecimentos capazes de impulsionar seu livre pensamento como forma de filtrar o próprio conhecimento e transforma-lo em sabedoria.
Até esse ponto somente um filtro sutil pode diferenciar a verdade da armadilha do próprio pensamento, confundir igreja com Cristo. Quando pensamos em evitar que a moral de qualquer igreja, ou religião humana, contamine o ensino, estamos na verdade desejando evitar que os interesses humanos contidos nesta igreja obstrua a construção do conhecimento que leve a sabedoria. Mas isso difere do fato de que não se possa avaliar Cristo como o verdadeiro libertador das trevas da ignorância e caminho para o conhecimento. A sabedoria, em qualquer nível, cabe a cada um de nós buscá-la. Não espere que saibam por você, pense de forma a saber por você mesmo. Isso é liberdade.
No fim, tenho a crença de que a palavra, manipulada e traduzida por objetivos díspares daqueles que intencionava Deus, pode nos levar a muitos becos perigosos.
Os falsos profetas grassam, e espalham raízes que nunca geram frutos, apenas mobilizam pessoas de forma vil conforme seus interesses de poder, fama e dinheiro. No caso, estamos assistindo o quanto se consome de vidas quando da manipulação intencional das ideologias humanas se sobrepõe às mensagens do Cristo. Em qualquer grau que seja, político ou religioso. As guerras, terrorismo e genocídios estão em toda parte misturando poder e religião, matando quem pensa diferente daqueles que buscam o poder a qualquer preço.
Quando procuramos avaliar o quanto o Gramscismo Cultural pode ser pernicioso,  buscamos exemplos práticos para se fazer uma correlação direta, pois tentamos evitar sermos rotulados de teóricos da conspiração. Mas a correlação não é direta, pois o Gramscismo apenas azeita o mecanismo do materialismo dialético. A confusão entre um Deus mal explicado e incompreendido que permeia as igrejas e a solução materialista, é um debate retórico que é dominado em ambas pontas pela ideologia humana, que transfigura a palavra a fim de convencer seus seguidores de que a instituição, ou grupo, de poder ou influencia, é detentora da chave da porta do reino dos céus. Mas nunca falam que a chave está perdida dentro de cada um de nós devido a bagunça filosófica que fizeram da palavra divina.
Gramsci, ou mesmo Marcuse, podem ter inspirado Freire, que inspirou a teologia da libertação que influenciou clérigos e professores a "revolucionar" o ensino "burguês". Ora, onde fica Deus nessa hipocrisia toda? São clérigos adeptos do laicismo francês iluminista da liberdade, igualdade e fraternidade que sufocou o papismo católico. Todos estes são interesses humanos sobre o que deveria ser um serviço a Deus. Estamos a serviço do homem, e a todas as suas manobras de poder e dominação sobre o livre pensar.
O materialismo dialético tentando se apossar das mensagens deixadas por Jesus de forma a traduzi-lo como um profeta de valores socialistas unificados com o pensamento francês é tão falso como nota de 3.
Quando se fala em liberdade, fraternidade e igualdade, temos que perceber um sinal de alerta sobre a igualdade, pois junto com esse ideal vem uma avalanche de equívocos! Por premissa filosófica fundamental, cada indivíduo é único e indivisível, sendo assim uma unidade que tem capacidade de convívio social (se bem que estamos próximos de perder essa capacidade). Sendo único, nunca será igual senão apenas um semelhante. E agora entra em cena a sutileza que faz a diferença, iguais não, mas semelhantes. Como pessoas únicas com diferentes pensamentos, capacidades, conhecimentos e talentos estamos dispostos a escolher nossos próprios caminhos, ter a liberdade de escolha entre errar e acertar a fim de exercer nossa liberdade. Como seres sociais, nossas liberdades devem seguir regras de convívio como uma base de autopreservação e grau de civilidade que seja equilibrado entre indivíduos e as comunidades. Como podemos dizer que somos todos iguais além do limite de que o somos somente em direitos fundamentais e nada além disso? E afirmo que direitos fundamentais não significa que devemos igualar todos indivíduos independente de seu esforço e mérito. Isso sim seria iníquo.
Parece simples, contudo tem sido fácil demais manipular a igualdade em favor da equiparação das diferenças, através do ativismo revanchista baseado no sentimento básico da inveja, bem como da cobiça, para não se fixar no coitadismo inerente aos vagabundos manipuladores da piedade humana.
Agora se torna oportuno evitar um tratado filosófico ou antropológico e mencionar as mensagens e parábolas que podem ajudar na fundamentação do meu pensamento.
Quando estudo a parábola dos talentos, percebo o quanto Cristo está longe de tratar igual os diferentes. Vejamos a mesma a seguir.

Mateus 25
1. Então o Reino dos céus será semelhante a dez virgens...
14. Será também como um homem que, tendo de viajar, reuniu seus servos e lhes confiou seus bens.
15. A um deu cinco talentos; a outro, dois; e a outro, um, segundo a capacidade de cada um. Depois partiu.
16. Logo em seguida, o que recebeu cinco talentos negociou com eles; fê-los produzir, e ganhou outros cinco.
17. Do mesmo modo, o que recebeu dois, ganhou outros dois.
18. Mas, o que recebeu apenas um, foi cavar a terra e escondeu o dinheiro de seu senhor.
19. Muito tempo depois, o senhor daqueles servos voltou e pediu-lhes contas.
20. O que recebeu cinco talentos, aproximou-se e apresentou outros cinco: - Senhor, disse-lhe, confiaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco que ganhei.'
21. Disse-lhe seu senhor: - Muito bem, servo bom e fiel; já que foste fiel no pouco, eu te confiarei muito. Vem regozijar-te com teu senhor.
22. O que recebeu dois talentos, adiantou-se também e disse: - Senhor, confiaste-me dois talentos; eis aqui os dois outros que lucrei.
23. Disse-lhe seu senhor: - Muito bem, servo bom e fiel; já que foste fiel no pouco, eu te confiarei muito. Vem regozijar-te com teu senhor.
24. Veio, por fim, o que recebeu só um talento: - Senhor, disse-lhe, sabia que és um homem duro, que colhes onde não semeaste e recolhes onde não espalhaste.
25. Por isso, tive medo e fui esconder teu talento na terra. Eis aqui, toma o que te pertence.
26. Respondeu-lhe seu senhor: - Servo mau e preguiçoso! Sabias que colho onde não semeei e que recolho onde não espalhei.
27. Devias, pois, levar meu dinheiro ao banco e, à minha volta, eu receberia com os juros o que é meu.
28. Tirai-lhe este talento e dai-o ao que tem dez.
29. Dar-se-á ao que tem e terá em abundância. Mas ao que não tem, tirar-se-á mesmo aquilo que julga ter.
30. E a esse servo inútil, jogai-o nas trevas exteriores; ali haverá choro e ranger de dentes.
31. Quando o Filho do Homem voltar na sua glória e todos os anjos com ele, sentar-se-á no seu trono glorioso.
32. Todas as nações se reunirão diante dele e ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos bodes.
33. Colocará as ovelhas à sua direita e os bodes à sua esquerda.

Cada um será tratado conforme a sua obra, seu intento, sua ação, seu trabalho... Aos falsos profetas do materialismo que deturpam os ensinamentos do Cristo, se apropriando de suas palavras para embutir pensamento socialista hipócrita nos cristãos cometem um crime contra a fé, e nisto estamos assistindo passivamente nosso povo ser guiado por cegos espertos a caminho do precipício da falsidade intelectual logo após atingir o pico da hipocrisia.
Voltando ao princípio de que regras humanas contaminam as lições cristãs, a salada que foi feita confunde a todos sobre quais seriam o valores humanos mais nobres a se adotar. Um pecado a que estamos expostos todos os dias.
Sigo acreditando que Cristo pode trazer mais luz aos que buscam a liberdade do que qualquer filósofo humanista, mesmo que este fale verdades e aponte caminhos verdadeiros, podemos extrair mais e mais do pouco que temos sobre os ensinamentos Crísticos, e o mesmo nos capítulos do Velho Testamento.
Uma vez já afirmei que a sabedoria é falar muito em poucas palavras, algo que estamos aquém do Cristo.